Entre em Contato

Blog e artigos sobre design, desenvolvimento e tecnologia

trecho de programação

Quanto Custa Ser Programador?

Desenvolvimento

Obs. Este artigo foi originalmente escrito no começo de 2014. Foi atualizado recentemente para a realidade de 2017.

Programador é o profissional responsável por resolver, replicar ou adequar soluções de software a fim de que um computador ou equipamento eletrônico com micro-controladores, execute uma tarefa.

O principal custo do programador é, sem dúvida, em educação. Porém, ainda sim, é bem variável, pois baseia-se nas tecnologias que este deseja se especializar.

O lado positivo é que muitas ferramentas para programadores são gratuitas, como o Brackets, Notepad++, assim como muitas linguagens, como o PHP, Java, C e outras.

Educação

Desenvolvedores precisam investir muito, muito mesmo, em livros e livros de tecnologia não são nada baratos. Dificilmente é possível encontrar um livro intermediário por menos de 200 reais 250 reais.

Livros de Programação em Livraria

Faculdades são um problema à parte. Apesar de várias faculdades de tecnologia aparecerem no país, a maioria focada em desenvolvimento não estão preparadas para preparar um aluno ao mercado de trabalho. Na própria faculdade, muitas vezes, possuem definições distorcidas de lógica e metodologias que não se adequam àqueles que já possuem intimidade com o computador, além de simplesmente ignorar assuntos como história e sociedade. Isso obriga a, mesmo os formados, procurarem especializações mais específicas para suas áreas, o que não é um negócio muito barato. Como é muito comum professores darem preferência a uma linguagem específica ao invés da lógica como um todo, muitos alunos, para conhecerem outras tecnologias, alternativas e métodos, precisam investir em cursos de especialização.

Boas faculdades particulares de tecnologia tem seu custo médio variável entre 300 a 1500 reais 750 a 2000 reais por mês. Sendo que cursos de especialização ou específicos, tem seu custo em média de 900 a 3 mil reais por curso, podendo ter alguns mais baratos se vinculados a cursos de extensão de faculdades (principalmente as públicas). Algumas palestras e workshops, com pessoas importantes na área, podem também chegar ao valor equivalente a um curso.

Certificação

A certificação é uma prova, muitas vezes mais importante do que um diploma, de que o desenvolvedor tem domínio em uma determinada área ou ferramenta. Geralmente atrelado a uma tecnologia/linguagem específica, a certificação é bem aceita no mercado de trabalho e envolve testes realmente difíceis para passar. As certificações podem variar de 800 a 30 mil reais 1500 a 40 mil reais, dependendo da área escolhida e se esta virá ou não acompanhada de um curso. Geralmente, quando se falha na prova, é necessário pagar novamente para uma segunda tentativa.

Máquina

A potência da máquina do programador varia da linguagem em que ele desenvolve e o objetivo de sua aplicação. Se ele optar por se especializar em PHP ou ASP, certamente ele não precisará de um computador que seja tão rápido. Entretanto, se ele trabalhar com Java, por exemplo, ele precisará ter um computador com pelo menos 4GB 8GB de RAM (pois é… Java tá pesado). Já aqueles que trabalham com desenvolvimento de jogos ou de aplicativos pesados que exijam opções gráficas, simulação ou alta precisão, precisarão de um computador realmente caro, na faixa dos 8 a 15 mil reais 10 a 21 mil, que possui uma configuração mais robusta. Se ele trabalhar com servidores, além de ter que ter mais de um, ele gastará uma quantia considerável para estudos e testes destes.

Comunicação

Grande parte de soluções e pesquisas podem ser encontradas na internet. O que exige que o programador tenha uma conexão realmente rápida. Hoje em dia, um profissional de TI precisa de uma conexão de pelo menos 20Mbps, o que gera um custo bem maior em comparação a quem tem uma internet comum em casa, e isso pode variar de região do país. Os que trabalham com gerenciamento de servidores a distância gastam muito mais, pois precisam de uma conexão ainda mais rápida para configurar e operar os mesmos sem perda de tempo ou informação. Ligações constantes para dar assistência a programadores e operadores também é comum, o que faz ter um alto custo com telefonia celular e fixa.

É difícil prever os custos exatos para comunicação. Os preços mudam muito de uma região do país para outras. Até mesmo de bairro para bairro o preço e velocidade máxima de conexão é absurdamente diferente.

Eventos

Como todo o profissional, o programador precisa estar atualizado com as últimas novidades de sua área. Precisa participar de eventos e promover encontros com outros desenvolvedores para criar melhores ações e estratégias para resolver seus problemas.

Porém eventos custam dinheiro principalmente para quem não mora no eixo sul do país, onde estão concentrados a maioria dos encontros. O problema é que, muitas vezes, não são as empresas que enviam os funcionários. Os programadores precisam pedir licença e custear do próprio bolso.

Na melhor das hipóteses, o custo para uma viagem não é menor que 2 mil reais (caso você seja alguém bem econômico e não se importe em dormir em albergues ou Airbnb), se for para uma cidade próxima. Caso seja internacional, prepare-se para um custo na faixa dos 12 mil reais.

Imagem de datashow falando sobre programação, da Adobe

E quanto ganha um programador?

Isso varia muito, de acordo com a região do país e de empresa para empresa. A média é que um desenvolvedor ganhe entre 3 mil e 30 mil reais, dependendo de sua função, para mais. Estudantes e programadores Jr, ganham em média de 1500 a 2500 reais (isso não mudou muito de 2013 pra cá).

O problema é que as empresas não estão dispostas a pagar corretamente por seus programadores ou ainda dão condições de trabalho que não correspondem com a área, como computadores ruins ou obrigatoriedade de uniformes e falta de flexibilidade no horário.

Por outro lado, alguns profissionais trabalham como autônomos dando consultorias para empresas. Entretanto, esses profissionais precisam ter uma certa “fama” em seu seguimento. Alguns cobram até 60 mil reais por consultoria de 15 dias. Mas isso não quer dizer que são bons. Muitos programadores famosos são péssimos profissionais, mas vivem de sua fama, cobrando valores absurdos e apresentando soluções não eficientes (ou nenhuma) e mal se entrosam no projeto. Porém essa é uma questão mais ética.

Concluindo

O Programador, ao contrário do que possa parecer, não é um profissional de glória. Diferente do que fez parecer, a partir dos anos 90, raramente pessoas de talento e estudo conseguem receber um valor justo por seu trabalho. Geralmente, os “mestres de cerimônia”, que só tem fama e fazem parecer trabalhar, acabam sendo mais valorizados por causa de seu carisma.

Programador de verdade está sempre trabalhando, sempre estudando, sempre se esforçando. Sempre interessado em evoluir e melhorar os seus projetos. Para um programador legítimo, um projeto quase nunca está perfeito. Mas é sempre incrivelmente gratificante depois de passar horas tentando fazer algo complicado, finalmente conseguir. É uma sensação extasiante e inexplicável.